sábado, agosto 25, 2018

Ciao!





“Preciso reconstruir a história do nosso amor para apreender todo o seu significado. Ela foi o que permitiu que nos tornássemos o que somos; um pelo outro, um para o outro. Eu lhe escrevo para entender o que vivi, o que vivemos juntos”.

Então, quer saber a história de um amor de verdade? Eis a solução para sua curiosidade.

Carta a D.: História de um amor – André Gorz – Companhia das Letras
(Lettre à D: Histoire d’un amour - 2006)
Personagens: Dorine e André

O filósofo André Gorz escreveu este livro em forma de carta, contando a história de amor que viveu durante quase 60 anos com a esposa Dorine. Ele comenta desde quando os dois se conheceram e rememora os bons e maus momentos de uma jornada juntos – destacando por que cada momento valeu a pena.

Comentários:

- Este livro caiu nas minhas mãos. Confesso que não o esperava e não tinha lembrança de ter ouvido falar dele. O design que faz referência a uma carta faz com que ele pareça delicado e algo a ser preservado e já entrega o principal sentimento deste livro: uma intensa, profunda e inigualável história de amor entre duas pessoas que pareciam destinadas a se encontrarem. Dois imigrantes em Paris no pós-guerra. Duas pessoas vindas de perdas e deslocamentos. 
Você não tinha nenhum lugar que fosse seu no mundo dos adultos. Estava condenada a ser forte porque todo o seu universo era precário. Eu sempre senti, ao mesmo tempo, a sua força e a sua fragilidade superada, admirava a sua força frágil. Nós éramos, eu e você, filhos da precariedade e do conflito. Fomos feitos para nos proteger mutuamente contra ambos, e precisávamos criar juntos, um pelo outro, o lugar no mundo que originalmente nos tinha sido negado. Para isso, no entanto, seria necessário que nosso amor fosse também um pacto para a vida inteira. 
- Até agora quero entender como este livro é romântico ao ser extremamente racional. Não pense no estereótipo do “açucarado”, “meloso”, pense em um relacionamento pessoal, íntimo entre duas pessoas que deram um ao outro o seu melhor e o seu pior. E que, a partir do momento que assumiram este pacto que ele cita ali em cima, foi realmente para tudo. Eles estiveram juntos na dificuldade financeira, na rejeição da família dele, na busca por emprego e por uma colocação profissional.

- Ele faz um mea culpa pela forma como citou a esposa em outro livro, dizendo que deveria tê-la valorizado mais. Em vários trechos desta carta, cita como ela soube compreender as dificuldades de se viver e de amar um escritor, alguém que precisava colocar para fora as palavras que dominavam a mente. E como soube ser o esteio, a âncora e a bússola dele, dependendo da situação – e como ela colaborou, influenciou e ajudou nos temas sobre os quais ele escrevia. 
Dissemo-nos sempre, por impossível que seja, que, se tivéssemos uma segunda vida, iríamos querer passá-la juntos 
- Sem mundo cor de rosa, sem fofurices. E sem mais detalhes para eu não dar spoiler, mas a narrativa de André deixa bem claro que ele não teria sido quem foi sem Dorine. Gostei da experiencia de ver como este sentimento – que inspira tantas histórias, livros e músicas –
foi vivido de forma tão plena por duas pessoas reais

- Links: Goodreads livro e autor; site da editora; Skoob.

Bacci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário