sábado, setembro 01, 2018

Ciao!



Então, há um tempo, publiquei a primeira parte da entrevista com a A.C. Meyer falando sobre o lançamento de O tipo certo de garota errada

Mas como ela tem muuuuito assunto neste ano, eis a segunda parte falando sobre a série Par Prefeito, o lançamento do conto Doce Reencontro no Brasil e de “Falling for her” ( Cadu e Mari) no mercado internacional.
Divirtam-se!!!

#LdMEntrevista: A.C. Meyer (parte 2)


*** Par Perfeito
(leia as resenhas dos Episódios 1; 2 e 3)

* Como surgiu a ideia de contar a história da “redenção do mulherengo ‘arrependido’”?

Há muito tempo eu queria escrever algo que tivesse um reality show. Além disso, eu acho incrível como o telespectador brasileiro ama esse tipo de programa e como ele idolatra determinados artistas. Enquanto amadurecia a ideia do projeto sobre reality, fui observando o crescimento dos portais de celebridades e programas de TV sobre esse assunto e a ideia foi tomando forma. Mas meu objetivo era fazer algo diferen-te. Ainda que o plot da história fale sobre o ator mulherengo e bonitão, a história não é sobre ele em si. É sobre os bastidores, Bruno e tudo o que acontece nesse mundo de celebridades que a gente não vê na tela da TV.

* Como foi o processo criativo? Você escreveu tudo de uma vez só ou foi criando à medida que os episódios eram lançados?

Quando o plot da história tomou forma, a ideia era dividir em partes que eu chamei de episódio, exatamen-te para dar a ideia de que o leitor estava “assistindo” a um reality show. Daí veio um grande desafio: escre-ver em terceira pessoa, algo que eu nunca tinha feito, já que meus livros sempre são narrados na voz do personagem principal. Isso era essencial para o sucesso do projeto em si, exatamente para que o leitor tivesse essa visão geral das coisas, como em um programa de TV. Então, quando comecei a lançar, o projeto já estava em andamento.

* Quantas vezes você recebeu reclamação de que o e-book acaba rápido demais? (eu fui uma que sempre fiquei querendo mais ao final dos episódios)

Hahahaha! Várias vezes! Mas isso é muito legal, pois é assim que o leitor me mostra que ele tá gostando e ansioso para acompanhar a história, apesar de terem sido lançados com curto espaço de tempo entre um episodio e o outro.


* Se você entrasse em um reality show como o do programa, que exige ficar confinado e se relacionar com outras pessoas, quanto tempo você duraria dentro da casa? (Eu não duraria meio dia em um programa assim porque não teria paciência de ficar longe dos meus livros)

Sinceramente, eu não me vejo em qualquer programa do tipo. Sou muito reservada e tímida para participar de realities ou algo do tipo!

* Você pensou em publicar a série em formato físico ou ficará exclusiva em e-book?

A ideia é ser apenas em e-book. Desde que estruturei a história, o formato em episódios era essencial para mim e para publicar em formato físico seria inviável manter essa estrutura, pois os livros não teriam pági-nas o suficiente para justificar quatro livros separados. E juntar tudo em um livro só perderia o charme da série.


* E pode acontecer de ter um spin-off com o Bruno (como tem os contos da série After Dark)? Eu fico imaginando ele numa aula de meditação tentando relaxar (e evitar uma gastrite ou colapso nervoso) por causa dos perrengues que o Jonas causa e rindo sozinha.

Hahahahahaha Inicialmente, pretendo finalizar a história no quarto episodio mesmo. Não tenho planos de fazer uma “segunda temporada”. Pelo menos, não por enquanto.

* O que podemos esperar da parte 4? Quando será lançada?

O episódio final vai trazer os acontecimentos pós-reality. Vamos descobrir se Jonas tomou ou não jeito na vida kkkkkk E deve ser lançada em breve!




*** Doce Reencontro

* O que levou ao lançamento do conto de forma separada?

O Doce Reencontro é um conto que faz parte da antologia ABC do Amor e, por uma questão mercadológi-ca, o Grupo Editorial Record decidiu lançar as três histórias em separado, com novas capas. Dessa forma, facilita para o leitor, que pode comprar cada conto individualmente, por um precinho bacana. E, se desejar ter o livro na estante, é só comprar o ABC do Amor, que continua nas lojas.

* O que tem de diferencial para quem já leu O ABC do Amor?

Os três contos são exatamente iguais, porém o Doce Reencontro ganhou um bônus extra, chamado Doce Paixão. É uma cena curta — e muito fofa — entre a Safira (irmã da Jade) e o Guto (o melhor amigo do Alex). É um presente para os leitores que me pediram muito para saber um pouquinho mais sobre os dois.


* Como foi o processo que te levou até a história destes personagens? E a sua expectativa para quem vai conhecê-los agora?

O projeto foi criado pela minha editora na Record, onde nosso desafio era criar uma história baseada em uma palavra de amor — daí o ABC do amor. Eu escolhi a saudade, mas não queria falar desse sentimento como ele é sempre abordado nos livros, como algo triste ou doloroso. Por que saudade não é só isso, né? Quantas situações maravilhosas a gente passa na vida e relembra com carinho, com aquela saudade gostosa? Quantos de nós já não viveu histórias de amor ou amizade, que por algum motivo não continuou, mas que a gente recorda com aquele sentimento gostoso? Foi daí que tive a ideia de escrever sobre um relacionamento do passado que terminou por causa dos caminhos que a vida tomou e que os dois se lembravam com carinho e precisam ultrapassar desafios criados por eles mesmo (medo de confiar, de se entregar, de amar...) para encontrarem o seu final feliz. É uma história que eu adorei ter escrito e que espero que desperte sentimentos doces e boas lembranças nos leitores.




*** "Falling for her"
(É o nosso amado Cadu e Mari)

* Como foi o caminho para que "Cadu e Mari" se tornasse "Falling for her" e ganhasse o mercado internacional?

Publicar em outro idioma sempre foi um sonho, desde Louca por Você http://livroaguacomacucar.blogspot.com/2016/02/cap-1135-louca-por-voce-c-meyer-after.html. Na verdade, minha ideia inicialmente era exatamente essa: escrever para publicar em inglês. Mas eu não imaginava que o processo da tradução era tão complexo e as dificuldades que encontraria no decorrer do meu caminho. Já havia feito algumas tentativas sem sucesso, até que surgiu a oportunidade de traduzir com a Larissa Siriani e ter o livro trabalhado por duas nativas que fizeram a edição e o deixaram pronto para o mercado internacional. Foi um processo de muito trabalho e aprendizado.

* Quais os cuidados na hora de fazer a tradução para manter o espírito do livro?

É preciso encontrar um tradutor que você confie e que tenha experiência com livros, pois a tradução não pode ser literal. Precisa adaptar expressões e até costumes para que faça sentido no Inglês. No caso do Falling for Her, a Lais, que em Cadu e Mari era chamada de Lalá, perdeu o apelido, para que as leitoras não ficassem confusas, já que tanto o nome quanto o apelido não são comuns para eles.

* Tem algum trecho que você gostou muito ao ver traduzido? Alguma frase que ficou "Uau, como soou bem!"

Eu adoro esse trecho: I'll kiss you until you realize we're perfect together.

* Como foi a repercussão e o retorno que você recebeu das leitoras e dos leitores estrangeiros?

Foi incrível. Fizemos uma tour americana com muitos blogs divulgando e resenhando o livro, que teve muitas avaliações positivas. As leitoras americanas têm poucas oportunidades de ler histórias que se passam no Brasil e adoraram a experiência de conhecer um pouco mais da nossa cultura.

* Há expectativa de tradução para outros idiomas (eu acho que ficaria lindo em Italiano)?

Por enquanto, não tenho nada programado. Mas a gente trabalha para isso, para conquistar outros mercados e outras oportunidades.

* Há possibilidade dos seus outros livros também serem traduzidos?

Quem sabe no futuro? ;) 

Bacci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário