domingo, março 31, 2019

Ciao!




Um homem determinado a ter uma garota que não o deseja de forma alguma.
Alguém não sabia o que estava querendo. Outro não sabia como conseguir o que queria.
Um duelo de vontades que tem problemas bem mais sérios para resolver.

Comando do Amor – Carole Mortimer – Paixão 494
(At the ruthless billionaire’s command – 2017 – Mills & Boon Modern Romance)
Personagens: Amelia “Lia” Fairbanks e Gregorio de la Cruz

O mundo de Lia desabou com a morte prematura e totalmente inesperada do pai. E ela não conseguia entender por que Gregorio de la Cruz, que ela considerava que tinha alguma culpa na perda, insistia em ficar por perto. Ele a desejou quando conheceu, deu a ela dois meses para lidar com a morte do pai, mas agora partiu para convencê-la de que havia muito que Lia não sabia – e finalmente poder tê-la.

Comentários:

- Você achou estranho o que eu escrevi ali? Pois bem, eu também comecei a leitura com esta estranheza. O período do luto é marcado por dúvidas, sentimentos intensos e a sensação de não saber o que fazer sem aquela pessoa fisicamente na sua vida. Gregorio começa o livro “invadindo” o espaço geográfico e emocional de Lia duas vezes: no sepultamento do pai dela e no apartamento para o qual ela havia acabado de se mudar.

- Gregorio fica irritado por que ela conclui que ele armou uma teia de aranha para deixá-la vulnerável e predisposta a aceitar ir pra cama dele. Mas sejamos sinceros, pela forma sufocante com que ele se comporta em relação a ela – desde a abordagem inicial quando se conheceram (e ela era noiva) até a forma como agiu depois que o pai dela morreu – dá a entender que ele está disposto a todo tipo de estratégia para levá-la para a cama. Ele não tinha que ficar chateado por Lia estar desconfiada. Qualquer uma estaria. 
— Claro que não! — admitiu irritada. — Mas acho difícil acreditar ter sentido atração à primeira vista por alguém.— Será por preferir continuar acreditando que sou um homem capaz de perseguir gente até que morra?Ela piscou ao ser lembrada das acusações feitas.— Não chamaria a obsessão de possuir alguém, no caso eu, por exemplo, um comportamento normal — defendeu-se.— Preferia que eu elogiasse e seduzisse você com palavras antes de tentar fazer amor? 
- Aí temos uma guinada para bem, quando os pingos nos “is” são colocados. O desconforto que eu sentia com o Gregorio diminuiu ao ver que ele tinha realmente boas intenções – só não tinha a menor noção de timing e tato, uma forma, digamos, menos exagerada de demonstrar isso. E também porque a Lia faz umas bobagens que me tiram do sério (tipo a Açucena de Cordel Encantado, que se se colocava em risco por não seguir os avisos que recebeu de todo mundo), até compreensíveis diante do que havia passado: perdeu o pai, estava ainda de luto, viu todo mundo abandoná-la com a perda de riqueza. Precisava que quem foi o catalisador respondesse pelo mal que causou – mas isso poderia trazer ainda mais problemas.

- No fim das contas, começou esquisito, houve alguns desentendimentos, esclarecimentos e mais confusões até terminou bem. Até suspeitei que teria sequência, com os irmãos de Gregorio como protagonistas, mas não encontrei.


Bacci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário