sábado, abril 13, 2019


Ciao!



Sim. Isso mesmo que você leu. No #AbrilImperdível que comemora os 14 anos do Literatura de Mulherzinha, tive a felicidade de poder fazer perguntas para artista Violet Charles.

Ela está trabalhando na graphic novel “Miss Butterworth and the Mad Baron” (Miss Butterworth e o Barão Louco), que é um livro citado nas tramas da Julia Quinn. Aliás, Violet é irmã da Julia e elas estão juntas no projeto de criar o “livro ruim” que faz sucesso (ou não) entre os personagens da Julia.


Tudo começou em fevereiro quando fiz um texto sobre a graphic novel e sobre os demais livros onde as desventuras de Priscilla Butterworth são citadas.

Violet Charles viu meu texto e me mandou uma mensagem. Fiquei tão feliz e pedi uma entrevista. Ela topou.


O resultado você pode ler abaixo. Como sempre, mantive a resposta original e fiz uma tradução livre. Se tiver alguma coisa equivocada, só avisar!

Por isso, é com muita alegria que eu escrevo:

#LdMEntrevista: Violet Charles

Literatura de Mulherzinha (LdM): Gostaria de saber mais sobre você: quando começou a desenhar? Sempre foi a sua primeira escolha ou foi algo que você descobriu depois?
Violet Charles (VC): I’ve always loved drawing since I was little, but it was mostly just doodles and stuff until I started drawing comic strips when I was 15. I think I always sort of dreamed of making a career out of drawing. But for a while I was trying to be a musician too.
VC: Sempre gostei de desenhar desde que era pequena, mas na maior parte eram apenas rabiscos e coisas assim até que comecei a desenhar quadrinhos quando tinha 15 anos. Acho que sempre sonhei em fazer uma carreira a partir do desenho. Mas por um tempo também tentei ser musicista.

LdM: Que tema você prefere desenhar?
VC: Facial expressions are my favorite. I also love to draw cute stuff. Animals, people, little creatures or anthropomorphized objects with adorable little faces. Really if it’s cute then I like to draw it. I also really like drawing cartoon portraits of real people.
VC: Expressões faciais são as minhas favoritas. Também adoro desenhar coisas fofas. Animais, pessoas, pequenas criaturas ou objetos antropoformizados com pequenas faces adoráveis. Realmente, se é fofo então eu gosto de desenhá-los. E também gosto de fazer retratos em desenhos animados de pessoas reais.

LdM: Há algo que você não desenha?
VC: I don’t draw horrible stuff like torture. And i don’t think I would want to draw actual porn.
VC: Eu não desenhos coisas horríveis como torturas. E não acho que iria querer desenhar algo pornô.

LdM: Para quem ainda não conhece ainda: onde podemos achar os seus trabalhos?
And my website is currently undergoing a makeover. But it’s VioletCharles.com
VC: O meu site está passando por uma reestruturação, mas é VioletCharles.com


LdM: Como é o seu processo criativo. Não tenho nenhum talento para desenhar, então estou curiosa para saber como você cria seus trabalhos. É a história, a imagem, algum detalhe, como começa?
VC:  It differs. For comic strips I usually have an idea for a joke and then I quickly sketch it out to make sure it makes sense before beginning the actual drawings.
For a project like Miss Butterworth and the Mad Baron it has many more steps. After Julia and I worked out the plot, then I broke the entire thing down into a graphic novel “script” so I could plot it out into pages and panels and only after all that did I begin drawing. As far as the actual drawing process goes, I usually break a page down into panels first, then do the dialogue, then comes line art or roughs and then the final art.
VC: Varia. Para as histórias em quadrinhos eu costumo ter uma idéia para uma piada e depois rapidamente faço um esboço para ter certeza de que faz sentido antes de começar os desenhos reais.
Para um projeto como Miss Butterworth e o Barão Louco, há muitos outros passos. Depois que Julia e eu trabalhamos no enredo, então quebrei tudo em um “roteiro” de romance gráfico para que pudesse organizar a trama em páginas e painéis e só depois de tudo isso comecei a desenhar. No que diz respeito ao processo real de desenho, costumo dividir uma página em painéis primeiro, depois fazer o diálogo, depois vem a linha artística ou áspera e depois a arte final.

LdM: Você já veio ao Brasil? O que Julia te contou sobre o país?
VC: I have never been to Brazil. I know a lot about the Julia Quinn fan base there though, and I absolutely love her Brazilian book covers. So beautiful. Julia has told me a bit about her travels there. I’ve seen a lot of pictures. I would love to visit some day. I’ve done a lot of travel but mostly to cold places.
VC: Eu nunca estive no Brasil. Sei muito sobre as fãs da Julia Quinn aí e eu amo completamente as capas brasileiras dos livros dela. Tão lindas. Julia me contou um pouco sobre as viagens dela. Eu vi muitas fotos. Adoraria visitar algum dia. Fiz muitas viagens, mas, na maioria das vezes, para locais frios.

LdM: Julia deixou cada leitor(a) dela totalmente maluco(a) quando contou sobre o projeto “Miss Butterworth e o Barão Louco”. Poderia nos contar o que foi o estopim desta graphic novel?
VC: Fans have been asking Julia to write Miss Butterworth for years. And she has always said that she didn’t think she could keep up the terrible writing for a whole book. I think she was trying to find some way to bring the characters to life without having to write 200 pages of terrible prose. She asked me one day if I would be interested in turning it into a graphic novel and i quite literally squeaked with joy.
VC: Os fãs pedem à Julia para escrever Miss Butterworth há anos. E ela sempre disse que não achava que conseguiria manter a escrita terrível por um livro inteiro. Acho que ela estava tentando encontrar alguma maneira de dar vida aos personagens sem ter que escrever 200 páginas de prosa terrível. Ela me perguntou um dia se eu estaria interessada em transformar a história em uma graphic novel e eu literalmente dei um gritinho de alegria.

LdM: Sobre “Miss Butterworth e o Barão Louco”: você está pronta para desenhar muitos despenhadeiros, corridas e pombos?
VC: Funny you should ask. There are a lot of cliffs, and right at the beginning of the book there are a good 6 pages in a row with cliff backgrounds so I got my practice in on those. I just had to draw more cliffs on the page I finished today and it came much easier to me than it did before. Running isn’t very hard to draw. You can get some pretty great action poses of running. As far as pigeons. I have begun to design some pigeons. Drawing wings is quite different from arms so it has been a bit of a process to learn to draw birds well. There are also a lot of horses to draw in this book. And I have to say I would rather try to draw 100 pigeons running off a cliffs than horses. Horses are very difficult.
VC: Engraçado você perguntar. Há um monte de falésias e logo no começo do livro há umas boas seis páginas seguidas com fundos de falésias, então eu pratiquei com elas. Eu só tive que desenhar mais penhascos na página que terminei hoje e foi muito mais fácil para mim do que antes. Correr não é muito difícil de desenhar. Você pode obter algumas ótimas poses de ação, tanto quanto os pombos. Eu comecei a desenhar alguns pombos. As asas de desenho são bem diferentes das dos braços, por isso tem sido um pouco um processo aprender a desenhar bem os pássaros. Há também muitos cavalos para desenhar neste livro. E eu tenho que dizer que eu prefiro tentar desenhar 100 pombos correndo de um penhasco do que cavalos. Cavalos são muito difíceis.

LdM: Julia disse no site dela “que é muito divertido escrever literatura ruim”. E como é desenhá-la?
VC: Good and bad. Sometimes the dialogue is very wordy and I am forced to choose between drawing one panel with tons of words or three panels of the same characters just talking, no new action or anything. One of the rules of comics is to keep the action going. But then this book is different because it’s a romance comic, not an action one.
VC: Bom e ruim. Às vezes o diálogo é muito prolixo e eu sou forçada a escolher entre desenhar um painel com toneladas de palavras ou três painéis dos mesmos personagens apenas conversando, sem ação nova ou qualquer coisa. Uma das regras dos quadrinhos é manter a ação em andamento. Mas esse livro é diferente porque é um romance em quadrinhos, não um romance de ação.

E como presente de “blogversário”, a Violet Charles fez um desenho exclusivo para o Literatura de Mulherzinha!




Espero que vocês tenham gostado. Eu adorei. Vou ficar acompanhando as postagens e Violet e Julia e grandes chances de haver mais sobre Miss Butterworth aqui no Literatura de Mulherzinha.

Bacci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário