sábado, junho 15, 2019

Ciao!



Um livro com verde e rosa na capa falaria direto ao meu coração mangueirense. Uma garota com cabelo rebelde sentada de pernas cruzadas ao lado de livros - como não se identificar.
Resultado: li mais de 60 páginas em 40 minutos esperando atendimento numa fila e ouvindo Il VoloQue delícia de livro! Consegue tratar do tema principal – a protagonista precisa redescobrir o sentido para a própria vida – com tempo, leveza e sem forçar saídas fáceis.

A Pequena Livraria dos Sonhos – Jenny Colgan – Arqueiro
(The Little Shop of Happy Ever After – 2016)
Personagem: Nina Redmond redefine a própria vida

Nina trabalhava em uma biblioteca que seria fechada para ser modernizada – ou seja, adeus livros velhos e bem-vinda tecnologia e multiplataformas. Durante o processo para saber se adaptaria à nova situação, descobriu um sonho: ter uma livraria itinerante. E se viu fazendo o possível, o impossível e mais um pouco para transformá-lo em realidade, com direito a contratempos e reviravoltas no caminho.

Comentários: 
“O problema das coisas boas é que, muitas vezes, elas se disfarçam de coisas horríveis. Imagine como será ótimo se, ao passar por uma situação difícil, sempre houvesse alguém que cutucasse seu ombro e dissesse: ‘Não se preocupe, vai valer a pena. Agora tudo vai ser uma droga, mas prometo que as coisas vão se resolver no fim’. Ao que você responderia: ‘Obrigada, Fada Madrinha.’ E talvez acrescentasse: ‘Outra coisa, eu vou conseguir perder aqueles 3 quilinhos?’ E a pessoa diria: ‘Mas é claro meu anjo!’” 
Este é o primeiro parágrafo do livro que já entrega muito do que teremos pela frente. A necessidade de enfrentar problemas complicados, sem fugir (até porque não tem como escapar). E tudo isso narrado com uma boa dose de humor e, como deu pra notar, auto-ironia.

A narrativa é onipresente e onisciente (deu saudade agora das aulas do Colégio): ou seja, em terceira pessoa e que sabe até mais que o necessário para a trama – como fica claro por alguns comentários paralelos para a gente entender o que se passa na cabeça dos personagens, além da protagonista.

Nina está frustrada com o emprego. Só não é uma perda de tempo total porque ele a mantinha perto do que ela amava – livros. Ela tinha o talento de saber para qual era a história certa para cada pessoa, mesmo que a pessoa não tivesse a menor ideia. Aí veio a reestruturação da equipe da biblioteca em Surrey – que seria fechada. Os livros seriam substituídos por tecnologia para atrair os mais jovens, antenados com isso. E alguém como ela, que não era extrovertida e não gostava de holofotes sobre si mesma, era relegada a algo além da invisibilidade: como se não existisse. 
“Nina sabia que uns recorriam à comida para aplacar os medos; outros, à bebida; e havia ainda os que se entregavam ao planejamento de casamentos e festas e demais eventos que tomavam cada segundo do tempo livre, para não dar oportunidade ao menor pensamento desagradável. Ela, por sua vez, recorria aos livros, sempre que perigava se confrontar com a realidade – ou melhor, com seus aspectos mais sombrios. Quando ficava triste, os livros eram seu consolo; quando se sentia só, eram eles seus amigos. Eram eles que cuidavam do seu coração partido e a encorajavam a manter a esperança quando estava na pior”. 
- Isso era eu da primeira palavra ao ponto final. Tanto que agora, que estou aprendendo a lidar com a realidade sem muletas ou algo que me coloque numa falsa bolha de segurança, ainda não reencontrei um ritmo agradável de leitura. Como ela diz em outro trecho: nem toda experiência adquirida nos livros a deixou preparada para saber o que fazer quando tudo saiu do trilho do conforto e da segurança. Então eu conseguia me identificar completamente com a protagonista. Era alguém como eu.

- Em um caminho incerto, Nina vai parar em uma cidade no interior da Escócia para comprar uma van gigantesca. Passa um susto, quase morre, percebe que está completamente sem rumo e sem planos. E é justamente nesta situação que precisa reagir. 

- Foi quando percebeu que não tinha alternativa a não ser colocar o sonho em prática. Ela tinha os livros (vou deixar que vocês leiam para descobrir como ela conseguia os acervos), tinha o local (queria ter visto uma foto da van depois de pronta. Imaginei um local encantador, talvez por detalhes que me remeteram a uma livraria que existia na minha cidade quando eu era criança – e ajudou a fortalecer meu imaginário positivo sobre a leitura): estava nas mãos dela persistir e fazer acontecer.

- É uma história sobre amor: sobre o amor que Nina passa a sentir por si mesma e por isso se torna confiante e passa a encarar a vida de uma forma menos conformada e automática, como estava no início do livro. Isso a torna imune e isenta de erros? Nops. Mas dá a ela força para decidir e assumir as consequências das boas e das não tão boas decisões.

- Eu gostei muito do livro. Basta ver na foto a quantidade de post-its coloridos. Se eu fosse citar todos os trechos que amei, daria um texto enorme. Fica a sugestão para que vocês leiam e se divirtam. Para quando precisarem mudar a própria vida, saber que sempre é possível encontrar um novo sentido que nos levará a caminhos imprevistos e incríveis, mesmo que não sejam na Escócia.

- Alô Arqueiro, percebi no livro uma menção a outro livro da autora. Fiquei interessada. Pode ser outro livro da coleção "Romances de hoje", tá?

Scottish Bookshop series



Bacci!!!

Beta

Reações:

0 comentários :

Postar um comentário