domingo, junho 30, 2019

Ciao!


Mais uma história do grupo de amigos que teve a vida mudada para sempre pela guerra contra Napoleão. Desta vez, Benedict Harper é o protagonista. E vai encontrar uma garota que vai fazê-lo voltar a ter sentimentos...

Uma loucura & nada mais – Mary Balogh – Editora Arqueiro (Clube dos Sobreviventes 3)
(The Escape - 2014)
Personagens: Samantha McKay e Sir Benedict Harper

Samantha estava se sentindo sufocada pelas regras impostas pela família do marido recém-falecido. Estava chegando o momento de descobrir como escapar disso. Benedict chegou enfim à fase da recuperação onde aceitava que nunca mais seria o mesmo de antes de ir para a guerra. E que teria que aprender a viver com isso. Estas duas criaturas feridas vão se encontrar por acaso e perceberem que talvez o destino os quisesse juntos, não importassem as regras e convenções sociais.

Comentários:
  
“- [...] Só que passei seis anos negando a realidade, e o resultado é que agora não tenho ideia do que o futuro me reserva. Ou do que quero do futuro. Desperdicei esses anos sonhando com um passado que ficou para trás e que não voltará. Entendem?” 
- A série do Clube dos Sobreviventes fala sobre personagens que tiveram a trajetória da vida modificada abrupta e irrevogavelmente por causa da guerra contra Napoleão. Todos estão lidando com os custos de terem vivido para contar história, enquanto outros morreram. Todos sofreram alguma consequência física e psicológica. Quando o encontramos, estão naquele primeiro estágio, ainda tateante, de quando a pessoa começa a querer ficar em pé, ainda com medo, ainda frágil, ainda sensível, mas ciente – mesmo que não admita para si mesma – de que a vida precisa continuar.

- Depois de Hugo e Vincent, chega a vez de acompanharmos a jornada de Benedict. O Major Harper quase perdeu as pernas por causa dos ferimentos. Como ele mesmo diz várias vezes, estava semialeijado. Vivo, mas sem poder correr, dançar, fazer alguns esforços que antes eram normais para ele. Em uma cavalgada com desfecho inesperado, ele encontra Samantha, a viúva do capitão McKay.

- Samantha estava sufocada sob o pesado luto que a cunhada a obrigava a viver. Sempre de preto, janelas fechadas, visitas e apoio de vizinhos rejeitados. Como se todos tivessem que morrer junto com Matthew. Um dia, aproveitando que a cunhada estava acamada, ela quebrou as regras e saiu para dar um passeio. E quase foi atropelada por um cavaleiro grosseiro que ainda se atreveu a dizer que a culpa era dela.

- Foi deste encontro que surgiu uma inusitada história de cura, porque ambos tinham feridas psicológicas a serem cicatrizadas antes de recomeçarem. Na verdade, precisavam dar um hard reset em tudo que tinham certeza de que haviam perdido para perceber o que poderiam descobrir sobre o si mesmo e sobre o mundo.

- Isso envolveu uma fuga para Gales. Para escapar de ter que viver sob o jugo da família do marido, que nunca disfarçou que a considerava indigna por ser quem era (além de não ter status, riqueza, ainda era ¼ cigana, algo inaceitável para o todo-poderoso e impecável conde de Heathmoor), ela decidiu fugir para Gales, onde herdou um chalé. No entanto, o preço a pagar era descobrir mais sobre a história da família materna, algo que nunca foi dito a ela com todas as letras.
“- [...] Aonde ponderar me levou até agora? Talvez esteja na hora de eu fazer algo imponderado e impulsivo. Talvez esteja na hora de eu assumir as rédeas de minha vida e, finalmente, vivê-la” 
- E a essa altura, de desafetos à primeira vista, ela e Benedict já eram cúmplices unidos pelo fato de um reconhecer a dor do outro (acima até da atração imprevista que surgiu entre eles). Portanto, pelo bem dela, Benedict ajudou na fuga e se tornou o acompanhante-tentação-a-ser-resistida até Gales.

- Ambos precisavam enfrentar o medo, descobrir a coragem para escapar do que os prendiam e limitavam. Gosto que ambos são patinhos feios, se sentem inadequados e coagidos pela expectativa social e das outras pessoas. Desta forma, se veem limitados. Romper isso dói. Porque significa admitir as próprias fraquezas e assumir as virtudes – e olha que esse processo é complicado, porque a gente se condiciona a só ver o pior, nunca o melhor.

- Benedict e Samantha vivem uma história que é construída com o tempo. No compasso do luto emocional e  social, no compasso das questões internas que precisavam responder e solucionar. Na forma de se encaixar na sociedade e na vida. Sem um “se” pairando e condicionando a existência deles. Quem eles se tornaram e o que queriam fazer a partir disso. O amor saudável que descobrem por si mesmos é o que vai abrir caminho para que possam dividir quem são com outra pessoa – que os aceita assim, como são, sem mais nem menos. 
“- [ ...] A dor não é insignificante. Tampouco a perplexidade ou o medo. Ou condições como pobreza ou falta de moradia. Mas em algum lugar, em algum lugar, há paz. E nem é um lugar distante. Esse lugar está bem dentro de nós, sempre presente, na verdade, apenas esperando olharmos para dentro para encontrá-lo”
Clube dos Sobreviventes:
1 – The Proposal Uma proposta & nada mais 
1.5 – The Suitor – O pretendente
2 – The Arrangement Um acordo & nada mais
3 – The Escape – Uma loucura & nada mais
4 – Only Enchanting – ainda sem título em Português
5 – Only a Promise – ainda sem título em Português
6 – Only a Kiss – ainda sem título em Português
7 – Only Beloved – ainda sem título em Português


Bacci!!!

Beta

Reações:

0 comentários :

Postar um comentário