sábado, setembro 28, 2019

Ciao!


Eu adoro esse tipo de trama, com pegada mística, de reencontro de pessoas que se amam e indicações esotéricas.
 “Era o desenho da Constelação de Escorpião. Eu o pintara cerca de cinco anos antes, se bem me lembro. Antares, ao centro, grande e alaranjada, era o coração do grupo de estrelas; diziam que seu tamanho real era setecentas vezes maior que o Sol”.
Ah, claro que a protagonista ter o nome da estrela mais brilhante da constelação do meu signo iria me fazer ler rapidinho, né?

Esta e todas as vidas – Anne Marck – Astral Cultural
(2019)
Personagens: Antares Letícia Vieira e Bruno Romão, além de São Tomé das Letras

Antares Letícia e a amiga Flor de Lis eram guias turísticas ainda informais em São Tomé das Letras e queriam se especializar em roteiros eco esotéricos. Nas férias antes de irem para a faculdade, elas recepcionaram um grupo de paulistas. Ela teve a sensação de conhecer um dos visitantes, mesmo não se recordando de tê-lo visto antes na cidade. A partir disso, temos a recuperação e a ameaça a um amor que sobreviveu ao tempo.

Comentários:

A sensação foi a de que uma corrente de energia entrou por baixo de minhas unhas curtas, indo até as junções dos dedos e voltando, tipo quando tomamos um choque no chuveiro. Muito real. Meu olhar foi imediatamente para nossas mãos e... parece loucura, mas eu vi cores atravessando de uma para outra, cores fracas, enevoados e tons alaranjados e azulados”.
- Antares Letícia, Leti, para os mais próximos, estava em um período de transição. Terminou a escola e estava mais empolgada em abrir a agência de turismo com a amiga Flor de Lis que ir para a faculdade. Enquanto aproveitavam os seis meses que os pais deram até elas começarem o ensino superior, elas recebiam turistas para roteiros eco esotéricos. E naquela temporada chegou um grupo de São Paulo, amigos falantes, curiosos...

- ... Exceto um. Alto, loiro, sempre de óculos escuros e mais calado: Bruno Romão, que despertou em Antares uma sensação de reconhecimento. Só que eles ainda não haviam se visto. Pelo menos, não pessoalmente. Mas Antares tinha uns sonhos que literalmente tiravam o sono dela – com uma vida que não era e era ela ao mesmo tempo.

- A maior parte da história é narrada por Antares. Há alguns capítulos que são narrados por Bruno. O que é legal porque a gente começa a entender a história a partir do que cada um sente – e que se completa com as informações que o outro tem. Só que muitas coisas importantes não são mencionadas, como uma tentativa de mudar o destino.
Eu esperei por ela. (...) Esperei por ela e foi só o que fiz. Esperei e trabalhei duro para não enlouquecer”.
- Adoro estas histórias de pessoas destinadas a se encontrarem. Não foi à toa que me apaixonei pela novela Além do Tempo – que mostrou as vidas entrelaçadas dos mesmos personagens em duas fases distintas. Gostei da forma como a autora foi desfiando os segredos da história do casal – até mesmo antecipando para quem lê coisas que eles descobririam depois. Gostei de como ela faz a gente se encantar, sofrer e até ter o coração partido por eles.
Memórias têm um poder muito forte dentro da gente. Podem nos levar para o momento mais feliz de nossas vidas, ou para o pior que já tivemos
- É um livro cuidadoso nos detalhes, conduz nossos sentimentos conforme cada descoberta dos personagens. Respeita as características da trama que abraça e nos faz embarcar em tudo que uniu e que pode separar os protagonistas. E ainda apresenta São Tomé das Letras para quem não conhece, porque a cidade é uma personagem importante. Se quer um livro bem escrito, delicado e que causa este tipo de reação, pode pegar. Eu não me decepcionei. Espero que você também goste.


Arrivederci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário