domingo, novembro 24, 2019

Ciao!




Sabe quando alguma coisa tem que ser? 

Esta entrevista está para acontecer desde outubro. Foi quando saiu a lista dos indicados ao 61º Prêmio Jabuti e eu vi o nome da Júlia Medeiros entre os finalistas na categoria infantil com o livro “A Avó Amarela”. 

Catálogo de Bologna 2019
Prêmio FNLIJ 2019 - Autora revelação
Prêmio FNLIJ 2019 - Ilustradora revelação
Altamente Recomendável - Categoria Criança - FNLIJ 2019

Este livro não é sobre a Avó Azul

(embora ela também dormisse sem boca)

Ele também não é sobre a sua avó

(porque eu nem sei qual é a cor dela)

Ele é sobre a minha Avó Amarela

(de quem, às vezes, fico roxa de saudade)

 Aí entre idas e vindas – da vida, de compromissos, de aparelhos eletrônicos e e-mails malucos (sossega, Mercúrio retrógado) – se tornou possível nesta semana para ser publicada hoje, 24 de novembro.

E o que tem de tão especial na data? Ora, é o aniversário de 1 ano do lançamento do “A Avó Amarela”, O pela editora ÔZé. Conta com as ilustrações de Elisa Carareto e a capa de Raquel Matsushita.

Tinha que ser, né?

A Júlia é atriz e compositora do (faltam adjetivos para expressar meu amor pelo) Grupo Ponto de Partida, de Barbacena (se tiver chance, veja um espetáculo deles. Satisfação espiritual e afetiva garantida). 

Foi assim que eu soube do lançamento do livro do ano passado. E por isso me lembrei dele quando vi a lista do Jabuti.

Enfim, com muita felicidade e torcida, com vocês...


LdM: Como você recebeu a notícia da indicação ao prêmio Jabuti?

Júlia: Com alegria total! A indicação ao Jabuti é um marco para qualquer escritor brasileiro e ter acontecido no meu livro de estreia, em uma edição do prêmio que homenageia Conceição Evaristo, neste 2019, foi uma emoção muito forte. A Avó Amarela vem fazendo uma carreira bonita e sou muito grata também à FNLIJ que nos concedeu os prêmios de Escritora e Ilustradora Revelação, além do Selo Altamente Recomendável e a exposição da obra na Feira de Bolonha 2019; à Biblioteca Internacional da Juventude de Munique - Alemanha, pela seleção no Catálogo White Ravens; à Revista Crescer por nos contemplar na lista dos 30 Melhores Livros de 2018; à Bienal de Bratislava - Eslováquia, por expôr o belíssimo trabalho de ilustração da Elisa Carareto; aos blogs Estante de Letrinhas e A Cigarra e a Formiga, que o elencou entre os 10 melhores de 2018 e a tantas outras instituições e veículos que vêm recomendando o livro. Faço questão de menciona-los porque há muita gente - mulheres, na maioria - comprometida com a causa da literatura infantil brasileira. Tem sido um ano de boas novas e a melhor delas é o contato com o público e estas iniciativas.

LdM: Como foi o processo criativo que levou até o A Avó Amarela? Foi algo que demorou muito ou as ideias já rondavam a sua cabeça?

Júlia: Eu tinha decidido que queria escrever um livro. Já era compositora e contribuía também para as dramaturgias coletivas do Grupo Ponto de Partida, do qual faço parte. Depois de dias olhando para a página em branco e afastando as ideias mais familiares, combinei comigo mesma que não importava qual fosse a primeira frase, eu seria obrigada a continuar. E veio: “Na casa da minha avó - não a Azul, a avó Amarela - tinha uma mesa que ocupava toda a varanda.” Apesar de saber que o resto estaria encharcado das memórias que eu tentava evitar, entendi que ali já existia literatura e abandonei o pudor de falar de algo tão explicitamente meu. Então acho que demorou minha vida toda até aquele momento. Eu sinto, às vezes, que algumas lembranças me marcaram por terem acontecido como literatura.

LdM: Como foi a sua rotina para escrever o livro?

Júlia: Não me lembro exatamente, mas parte do livro foi escrita nas horas de folga da turnê que o Ponto de Partida fazia por cidades miudinhas do Maranhão e do Pará e que num dos dias meu pai ligou para contar que meu avô, marido da Avó Amarela, tinha morrido. Fiquei tristíssima, claro, e achei aquilo de uma coincidência absurda. Eu estava no meio do texto e me lembro até hoje daquele quarto de hotel. Foi como uma certeza de que aquela história precisava existir. Acho que não demorou para ficar pronta. Mas a revisei muitas e muitas vezes, inclusive acolhendo os pitacos de escritores amigos. O Avó é o resultado do encontro de gente muito apaixonada e empenhada no que faz. Eu, Elisa Carareto - ilustradora, Zeco - editor, Raquel Matsushita - designer e capista, levamos meses discutindo cada detalhe, refletindo sobre as possibilidades de casamento entre texto e imagem, decidindo cada vírgula, literalmente. Encontrar uma equipe tão competente e comprometida logo num primeiro trabalho, isto sim, foi uma grande sorte. Aprendi muito.

LdM: De que forma a sua vida inspirou na criação da história de A Avó Amarela?

Júlia: Totalmente. Eu convivi muito com as minhas avós e me lembro vividamente dos momentos com elas, principalmente dos almoços de domingo, quando a família toda se encontrava. Me chama muito a atenção o papel da mulher na sustentação emocional e psicológica da família, sobretudo em estruturas mais patriarcais. De um lado, elas são o nó que amarra o clã, por outro, sofrem a falta de espaço para seus sentimentos. A obrigação de estarem sempre inteiras e serem só amor, de alguma maneira as desumaniza: avó entidade. Me surpreendeu o quanto eu percebia, ainda criança, os escuros que a rondavam. E como até hoje buscamos silenciar as ranhuras... mas, claro, isto tudo está nas entrelinhas, como em todo bom almoço de domingo. Afinal de contas, é um livro infantil, cheio de passagens divertidas, doces, poéticas e também algumas assustadoras...

LdM: Desde o lançamento, como foi a recepção dos leitores e leitoras? O que você ouviu de quem já leu o livro?

Júlia: Muito legal! E o mais lindo é ver a diferença de comportamento entre adultos e crianças. Enquanto a meninada se diverte pelo estranhamento, os adultos se emocionam com a familiaridade. O “Avó” traça uma ponte entre gerações. Muita gente diz que chorou muito. Algumas, na minha frente! Há bastante identificação com as cenas, mas também tem gente que nunca teve vó e que diz que gostou de ganhar esta amarela. Já a meninada fica cheia de curiosidade e sai disparando um chumaço de perguntas. Acho que fizemos um livro de frivolidades preciosas.

Foto: Pablo Bertola
LdM: Como é estrear como escritora com um livro indicado ao Jabuti? É incentivo para seguir nesta jornada?

Júlia: Demais! Quando você vê seu nome misturado ao dos seus ídolos, vê no seu livro o selo que tantas obras que você amou na vida carregava, você se sente na obrigação de seguir. Fui formada pela literatura, literalmente. Não tenho formação acadêmica, mas tive muito contato com excelentes livros e autores na minha infância, na escola Catavento, em São João del Rei. Na adolescência, eu lia dois livros por semana no colégio estadual e depois veio o Ponto de Partida com uma bagagem riquíssima de escritores brasileiros modernos e a honra de encená-los. Em toda esta trajetória, o contato com autores foi um estímulo imenso ao meu desejo de escrever. Então, além de seguir digitando, quero estar perto dos leitores, ouvi-los, dizer aos que tenham um sonho como o meu para não desistirem.  

***

A entrega do Prêmio Jabuti será na próxima quinta-feira, dia 28, às 19h, no Auditório Ibirapuera Oscar Niemeyer, em São Paulo. Neste ano, a homenageada é a escritora Conceição Evaristo. O vencedor de cada uma das 19 categorias levará para casa R$ 5 mil e o vencedor do Livro do Ano, R$ 100 mil.

E se você se encantou pela história de “A Avó Amarela”, fique atento ao Instagram e ao Facebook da Júlia Medeiros: vai ter promoção de Natal para envio do livro com dedicatória.

Bacci!!!

Beta

Ps. A Júlia nem sonha o quanto eu quis o xale da Temporina neste dia...
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário