terça-feira, fevereiro 25, 2020

Ciao!





Meu primeiro contato com a autora foi o livro A indomável Sofia, se ainda não leu, leia, é muito bom. Prometi que leria outros e finalmente chegou a hora!

Ovelha Negra – Georgette Heyer – Record
(Black sheep - 1966)
Personagens: senhorita Abigail Wendover e Miles Calverleigh

A temporada em Bath prometia. Stacy Calverleigh havia se encantado pela jovem herdeira Fanny Wendover, o que não era bem visto pelo tutor nem por uma das tias responsáveis por ela, Abby. Ela quer encontrar uma forma de impedir uma catástrofe para a reputação da garota, mas não encontra um aliado em Miles, tio de Stacy e a ovelha negra dos Calverleigh. Em meio a tramoias, intrigas, fofocas e às normas sociais, será que pode surgir um amor de verdade?

Comentários:

- Eu adoro o jeito como as histórias de Georgette Heyer são narradas. Há momentos em que a gente acompanha o fluxo dos pensamentos dos personagens, sem ser em primeira pessoa. Percebemos aqueles detalhes que os tornam únicos. Vemos que nem todos são românticos que enxergam o mundo apenas em cor de rosa e ainda podemos dar boas risadas da forma como as tramas se entrelaçam. 
- Não sou insensível - replicou Abby, irritada - Estou profundamente tocada... por um forte desejo de dar a Fanny a maior surra de sua vida! E a daria, se não temesse que isso fosse encorajá-la em sua crença de ser uma heroína perseguida!
- Neste caso, temos a protagonista, Abigail “Abby” Wendover, às voltas com a “primeira grande paixão” da sobrinha, Fanny. A jovem estava tão cega de amor que seria capaz de fazer uma estupidez se a relação com Stacy fosse proibida. Abby tinha certeza de que o casal não teria a permissão, por mais que o rapaz tivesse encantado Selina, a tia que sempre sofria de diferentes males.
- Vejo que falar com o senhor é o mesmo que falar com uma porta!- Como a senhora fala coisas estranhas! Acha que portas são menos dadas a respostas do que enguia? 
- Então, um dia, ao encontrar Calverleigh em um hotel caro de Bath largou as convenções de lado e foi dizer a ele tudo que pensava sobre o relacionamento... E, surpresa, estava gastando todos os argumentos com o Calverleigh errado. Miles tinha sido exilado na Índia pelos parentes após um escândalo, nem se lembrava do sobrinho e não estava disposto a interferir para impedir a provável desgraça do nome de Fanny.

- A partir disso, temos a narrativa de como esta confusão se desenrola. Abby não é a protagonista desesperada para se casar mesmo na “avançada” (para os padrões da época) idade de 28 anos. Ela é observadora, inteligente, sabe como desmontar uma retórica feita para fazer mentes menos preparadas suspirarem. E tinha a confiança da sobrinha. Justamente, por isso, entendia que entrar em confronto não era a melhor alternativa.

- E ganha em Miles um parceiro não tão afeito a se envolver. A sensação que a gente tem é de que, passado o arroubo da juventude que o fez ser despachado para Índia, ele voltou à terra natal sem pretensões. E quando percebeu a tramoia do sobrinho, ficou pra ver o tamanho da confusão que daria. Os diálogos dele com Abby são ótimos, um duelo de quem é mais atento ao redor que o outro mesmo sabendo o impacto que os dois juntos, uma inusitada combinação, poderia causar na sociedade (fuxiqueira) de Bath.
- [...] Estou tentando decidir se a amo mais quando é perspicaz ou quando é uma boba.  
- Gostoso, divertido, apaixonado, com momentos surpreendentes e outros que a gente torce para que aconteçam, é uma delícia de ler. Definitivamente, preciso aumentar a minha coleção da autora, porque eu me divirto com as confusões que as heroínas dela precisam resolver em um mundo que não está preparado para jovens mulheres que sabem pensar.


Arrivederci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário