domingo, abril 19, 2020


Ciao!

 Disponível na Amazon 



Que livro gostoso de ler. Tem uma personagem incomum para os romances de época: uma escritora. Só isso já é suficiente pra gente gostar dela.

De repente uma noite de paixão – Lisa Kleypas – Editora Arqueiro
(Suddenly you - 2001)
Personagens: Amanda Briars e Jack Devlin

A romancista Amanda Briars iria completar 30 anos. E resolveu se dar um presente ousado: contratar um amante profissional para deixar de ser virgem, já que era uma “moça velha que não conseguiu um pretendente”. No entanto, quem bateu à sua porta foi Jack Devlin, que pareceu confuso com a abordagem e por ela não saber quem ele era. Mas houve uma faísca entre eles. E este foi o ponto de partida da história dos dois...

Comentários: 
Cavalheiros não queriam esposas com mentes bem-desenvolvidas. Queriam esposas atraentes, que nunca os questionassem nem discordassem deles. E com certeza não buscavam mulheres de imaginação vibrante, que sonhavam acordadas com personagens de livros”. 
- Uma heroína conformada em seguir a vocação, mas curiosa em saber o que estava “perdendo” por não ter se casado como as irmãs. Amanda resolve se dar um presente: saber o que ocorre intimamente entre um homem e uma mulher.

- Jack Devlin é surpreendido pela confusão de Amanda, que não sabia quem ele era e considerou irresistível não atender e dar a ela uma noite de fantasia. No entanto, sabia que teriam problemas quando ela soubesse quem ele era de verdade.

- A experiência foi marcante para Amanda, que sabia que não poderia se apegar a isso, que tinha que seguir em frente e muito menos repetir, sem se colocar em risco. Só não contava em reencontrar o amante profissional que contratara e descobrir que ele era um editor interessado no trabalho dela. Ou seja, uma grande confusão.

- A autora estabelece isso nas primeiras 60 páginas. Estabelece o desejo entre os personagens e coloca o motivo de conflito entre Amanda e Jack. A partir daí, temos as discussões sobre o novo patamar do relacionamento: profissional, meio a contragosto de Amanda e com as lembranças daquela noite ainda pairando sobre ambos.

- A partir disso, temos a evolução desta dinâmica entre eles. De certa forma, os dois estão à margem da sociedade – Amanda era a moça que passou da idade de se casar e conseguiu uma relativa “liberdade” para ser romancista. No entanto, isso não a tornava imune aos ditames da sociedade, afinal de contas, era uma mulher – e ser mulher em 1836 não era fácil (e, creia, em 2020, ainda não é fácil).

- Jack era o homem que se fez do nada, abrindo caminho e levando consigo todos os amigos. Tinha apreço pelos livros, pelas palavras, pelo ofício de escrever e sabia encontrar as melhores opções para investir. Ele sabia que reeditar o primeiro livro de Amanda e publicá-lo em um formato diferenciado era uma estratégia que tinha tudo para ser bem sucedida.

- Os dois personagens são bem construídos, fazem a gente se identificar com seus sonhos e ideais, mesmo que não seja à primeira vista. Confesso que pendi mais para um lado ao longo da leitura, até a trama apresentar detalhes bem interessantes sobre o outro. Gostei de acompanhar os desafios que cada um teve que enfrentar ao longo desta jornada, cientes de que uma decisão errada pode destruir carreiras, negócios e vidas. E, talvez, o amor fizesse a diferença para eles.

- Um fato interessante é a ausência de um grande vilão neste livro. Este papel é desempenhado pelas regras impostas pelo contexto social que estabelece poder a determinados grupos e se acha no direito de vigiar, controlar, julgar e punir quem contesta este sistema. Gostei muito dos demais personagens que aparecem. Mesmo sabendo que De repente uma noite de paixão é livro único, sem ligação com séries, torço pra que Lisa escreva um livro sobre Charles Hartley. Sonhar não custa nada, né?


Bacci!!!

Beta
Reações:

0 comentários :

Postar um comentário