terça-feira, abril 27, 2021

Ciao!!! 

Quem acompanha o Literatura de Mulherzinha sabe que o Vinícius Grossos é um dos meus xodós. E como, recentemente, ele anunciou novidades na carreira, nada melhor que convidá-lo para mais um bate-papo!

Ainda mais no dia mais especial do Abril Imperdível para ele – feliz aniversário, Vini!

*** LdM Entrevista: Vinícius Grossos *** 

1 – Como foi o último ano para você? Como conseguiu manter a inspiração – e a sanidade – em meio a essa situação que virou a vida de todo mundo do avesso?

VINÍCIUS: Foi uma relação agridoce — vivenciar experiências sempre me inspiram, porém, por muito tempo, eu só me sentia exausto. Exausto pela situação que estamos passando, e com uma cobrança interna para produzir, para escrever, para entregar algo. Acho que no meio disso, consegui me reencontrar, e então produzir de uma forma confortável. 

2 – No ano passado, você participou do projeto “Vai ficar tudo bem! Histórias da Quarentena”, da Storytel Originals? Como foi a experiência de criar “O menino do outro lado da porta”?

VINÍCIUS: Foi insano. Porque quando o convite chegou a mim, eu tinha um prazo extremamente apertado — eram três dias para entregar algo. E, ao mesmo tempo que eu queria participar, eu também não queria trair meus sentimentos, e escrever só por escrever. Mas acho que acabei encontrando um meio termo entre algo que tinha a minha cara, trazendo para o mundo da pandemia, que estamos mergulhados. 

3 – E em 2020, você também lançou o conto “Quando tudo isso acabar”. Como foi o processo de escrita?

VINÍCIUS: O gatilho foi o falecimento da minha avó. Ela faleceu quando a pandemia começou, e eu não pude ir ao enterro, por estarmos em estados diferentes. Aquilo me doeu de maneira muito profunda, e eu senti que na escrita eu poderia encontrar um conforto, uma forma de respirar e processar tudo o que eu estava sentindo. Eu escrevi já com a intenção de ser um conto, e que falasse diretamente com os meus leitores sobre o momento que vivíamos naquela época, mas que tentasse levar um sorriso aos leitores, um respiro.  

4 – Há chance de retomar os personagens de “O menino do outro lado da porta” e de “Quando tudo isso acabar”?

VINÍCIUS: Acho que não. Eu até brinquei, e inseri Cícero e Vicente, de “Feitos de sol”, em “Quando tudo isso acabar”. Mas acho que foram histórias pontuais, para entender o caos em que eu estava inserido.  

5 – Em 2021, você anunciou novidades: uma delas foi a nova editora? Para quem não conhece, fale um pouco sobre a Editora Nacional.

VINÍCIUS: A Editora Nacional é uma das editoras mais antigas que temos no país. Mas por anos o foco deles eram histórias paradidáticas. Em 2020, começaram um movimento para reinventaram e começaram a apostar em livros mais comerciais, e foi aí que nos conectamos. Minhas agentes estavam buscando uma nova casa para mim, e por mais que já tivéssemos recebido o sim de algumas editoras, nenhuma delas fez meu coração palpitar, sendo bem sincero. Acabou que essa adrenalina veio com o sim da Nacional. Somos duas forças recomeçando, e isso me empolga. 

6 – Você já colocou um “teaser” do próximo livro pra deixar a gente que te lê bem curioso. O que você pode nos dizer sobre a história que está vindo aí?

VINÍCIUS: Ela começou a ser escrita e planejada antes da pandemia, porém percebo agora que fiz uma história sobre isolamento, sem perceber. Não há pandemia, mas você vai entender quando ler. É um livro que saí das minhas experiências, e comecei a olhar mais para o lado, para as histórias dos outros.  

7 – E qual a mensagem que você gostaria de deixar a quem visita o Literatura de Mulherzinha?

VINÍCIUS: Quero mandar um beijo para todos os leitores e leitoras!

ps.: Os livros do Vini estão disponíveis na Amazon.

Arrivederci!

Beta 

0 comentários :

Postar um comentário