domingo, agosto 08, 2021

Ciao!

Disponível na Amazon  


– Este não é o meu bebê. 

Esta edição de Jessica traz duas histórias interligadas, de duas mulheres que se conheceram em uma circunstância apavorante: tendo que provar que os bebês recém-nascidos dela foram trocados na maternidade.

Esta premissa me deixou muito curiosa e Dani Collins não me decepcionou no desenvolvimento. Hoje vou falar sobre a primeira história do livro. Em breve, a outra trama – Para conquistar uma paixão – vai aparecer por aqui. 

Para manter um casamento – Dani Collins – Jessica 2 Histórias 07 (Doces Mentiras) 
(The marriage he must keep – 2016 – Mills & Boon Modern Romance) 
Personagens: Octavia Benevento Ferrante e Alessandro Ferrante 

Não bastou a gravidez complicada e o parto prematuro, Octavia precisou brigar para convencer o hospital e o próprio marido de que aquele bebê não era o filho dela. Isso foi a gota d’água que faltava para colocar fim ao casamento com Alessandro. Ela percebeu que queria mais que um negócio entre famílias. Alessandro quis proteger Octavia, mas acabou colocando-a e ao filho em perigo. Agora precisava lutar para provar à esposa que o casamento ainda tinha salvação.  

Comentários:

- O ponto de partida é dramático: Octavia está em Londres, longe de Nápoles e do marido, Alessandro, em trabalho de parto prematuro e a gente teme pela vida dela e do filho. 

- Quando a gente pensa que o pior passou é confrontado com um choque: ao receber o filho nos braços na UTI Neonatal, Octavia sente que não é o bebê dela. Ao reclamar disso, a equipe médica garante que não é possível. A essa altura, Alessandro tinha chegado no hospital e não acredita nela – ele pensa que é resultado dos meses de estresse que descambaram no parto arriscado e tenso.  

- Apenas uma pessoa acredita em Octavia: Sorcha, a outra gestante que deu à luz, e que também não reconheceu o filho no bebê que recebeu nos braços. A partir daí, começa uma jornada para provar quem estava certo e, se houve a troca, qual foi o motivo.  

- Depois deste começo intenso e dramático, a autora começa a explicar detalhes sobre o relacionamento entre Alessandro e Octavia. Na verdade, eles se uniram em um casamento acordado entre famílias. E tem muita história mal resolvida de Alessandro com os parentes e de Octavia com os pais. Ela sabia que seria peão em uma negociação, mas tinha o sonho de ter a própria família e dar aos filhos o amor que nunca teve por ser mulher e, na visão obtusa do pai dela, ser inútil para os negócios. 

– Como poderíamos ter algum tipo de casamento, se você não estava interessado em algo tão básico como amizade? Se tudo que quer de mim é meu corpo? – Doía muito falar aquilo, mas ela precisava encarar a realidade. – Não sou nada para você. E não posso ser nada, Alessandro. 

- Acompanhamos a jornada de Octavia para se tornar uma jovem confiante e com autoestima e para aprender a lidar com o marido que queria cuidar dela, movido pela culpa sobre o perigo que ela correu. No entanto, Alessandro também enfrenta os próprios fantasmas e, por isso, sabia que precisava controlar os sentimentos para não causar sofrimentos.  

- Justamente por isso temos um impasse: toda a situação envolvendo o nascimento do filho fez Octavia perceber que queria um casamento onde o marido se importasse com ela. Alessandro precisava demonstrar isso além da compatibilidade sexual entre eles. Talvez Octavia esteja pedindo o impossível. No entanto, ela precisa desta resposta.  

- Gostei da forma como a Dani Collins abordou um casamento construído com bases frágeis, entre pessoas complexas, e que estão descobrindo quanta força possuem em meio às próprias fragilidades. Destaca que o remorso e o sentimento de culpa não são bons conselheiros. E que não devemos arriscar as pessoas que realmente importam. Vale a leitura. 

- Links: Goodreads livro e autora; site da autora; Skoob; mais dela no Literatura de Mulherzinha. 

Arrivederci!!!

Beta

0 comentários :

Postar um comentário