quarta-feira, outubro 06, 2021

 Ciao!!!

Clássico, suspense, infantil e história: a Faro Editorial traz opções bem diversificadas em outubro! 


Existe um fascínio estranho sobre a morte em si, mas um ainda maior sobre as histórias de garotas assassinadas. Seja pela trágica maneira como foram mortas, ou a forma como são encontradas; o caso é que esses crimes costumam a atrair a atenção não apenas da polícia, mas de curiosos. Mas Ruby não imaginava que descobrir o corpo de uma dessas garotas iria mudar sua vida tão radicalmente. E Alice não entendia o quanto precisava contar a sua história, até ela ser brutalmente interrompida.

A Faro Editorial lança este mês “Antes que você saiba meu nome”, livro de estreia da autora australiana Jacqueline Bublitz. Passeando entre o mistério e o sobrenatural, a obra vai contar a história de Alice, uma garota destemida, que sempre enfrentou a vida de peito aberto, mas que encontrou a morte prematuramente em Nova York.

Só que ninguém sabe disso, afinal o corpo de Alice foi encontrado, mas sua identidade é um mistério, ela é somente mais um corpo frio, sem nome no necrotério da cidade.

E a única pessoa que realmente quer entender o que aconteceu com Alice é Ruby Jones, a mulher que encontrou o corpo durante uma corrida e ficou obcecada em saber quem era aquela garota.

Presa num limbo entre a vida e a morte, Alice vai achar uma forma de se conectar a sua “salvadora” e dizer quem ela realmente era e o que aconteceu, mas quem é que vai acreditar numa mulher como Ruby?

“Eu quero meu nome de volta. Esse nome que foi meu desde o começo. É ele que quero que usem quando falarem de mim”

Destacado por um texto carregado de lirismo, a autora tem sido aclamada por inúmeros críticos, que percebem a singular a união de um suspense intenso a uma voz literária, algo raramente encontrado no gênero.


-“Peraí!”, Alice pensou, “eu nunca vi um coelho de colete, muito menos checando as horas em um relógio!”

Então, ela não perdeu tempo e saiu em disparada atrás dele! Toda curiosa, conseguiu ver bem o momento em que ele pulou pra dentro de uma toca de coelho.”

Conheça o apressado coelho branco, o chapeleiro maluco, o gato sorridente, a assustadora Rainha de Copas e outros seres fantásticos que farão os pequenos se encantarem por uma das histórias mais famosas de todos os tempos.

A Faro Editorial lança este mês sua edição infantil do clássico de Lewis Carroll que encanta gerações, Alice no país das maravilhas. Com uma edição especial para crianças, ricamente ilustrada e em edição brochura e capa dura, o livro é lançamento do selo Milkshakespeare.

Talvez Alice não seja mais que um sonho, um conto de fadas sobre os desafios e tribulações do crescer — talvez seja a visão de que o mundo adulto parece estar de cabeça para baixo quando visto pelos olhos de uma criança...

Enquanto Alice explora um mundo subterrâneo, ela encontra um elenco de personagens estranhos e fantasiosos: o apressado Coelho Branco, o Chapeleiro Maluco, o sorridente gato Cheshire, os gêmeos, a terrível Rainha de Copas e outras criaturas extraordinárias.

Perca-se nesta aventura através dos olhos de Alice nesse maravilhoso mundo repleto de significados e camadas que as crianças vão descobrindo a cada nova leitura.


Tom estava batendo um papo com um lobisomem. O mesmo lobisomem que o mordeu  dois meses e meio atrás, e que no mesmo dia, com a diferença de poucas horas, também havia sido mordido por um morcego-vampiro e um zumbi. E isso aconteceu um dia antes do início das aulas. Realmente Tom Marks era o garoto mais azarado da Terra.

A Faro Editorial lança este mês “Vambizomem – Farejando Sangue”, o terceiro livro da série “Mordidas na escola” criada por Steve Craig Banks, roteirista do filme do mundialmente famoso personagem Bob Esponja. A série infanto-juvenil, com ilustrações ao estilo cartoon feitas por Mark Fearing, conta a história de Tom, um menino de 11 anos e meio, que acabou sendo mordido por um vampiro, um lobisomem e um zumbi, e virou um vambizomem.

Tom, o vambizomem, está de volta! E o lobisomem que o mordeu também. Enquanto ele continua tentando viver como um garoto normal, histórias monstruosamente engraçadas acontecem na escola. Ter as habilidades de vampiro e lobisomem tem seu lado positivo: Tom possui agora visão noturna, é super-rápido e forte! Já ter um lado zumbi não traz nenhuma vantagem...

Mas a vida como um vambizomem pode ser realmente incrível se você tem grandes amigos.

 “— Peraí... eu te conheço de algum lugar — ele disse. — Faz uns dois meses. Você estava correndo pela rua e eu mordi seu tornozelo. Só vi que era um garoto quando cheguei perto. Eu normalmente prefiro adultos. Mais carne. Vi você correndo rua abaixo e pensei: Hum, jantar!”



De acordo com o dicionário, a palavra moda significa um conjunto de opiniões, gostos, assim como modos de agir, viver e sentir coletivos. Na vida real a moda dita uma série de tendências e até mesmo regras sociais, e pode estampar a personalidade – ou a falta dela – de cada um de nós. Pode ser uma amiga íntima ou uma inimiga feroz. Mas acima de tudo, deve ser divertida e refletir quem você é. E é assim que a jornalista e publicitária Cris Guerra enxerga a moda, como algo intuitivo.

A Faro Editorial vai lançar em edição revista e ampliada de um dos guias de moda mais democráticos e antenados com a atualidade, “Moda Intuitiva”, da jornalista Cris Guerra, a primeira digital influencer de moda brasileira, criadora do pioneiro diário de estilo, o blog Hoje Vou assim.

Usando a sua experiência pessoal de estilo e do vestir, Cris divide com o leitor sua visão única sobre a moda, com liberdade apurada pela experiência como publicitária, inclusive de idade, e usando as roupas e cores como uma forma de se autodescobrir e ao mesmo tempo divertir e testar. Na obra ela demonstra como a maturidade pode ser uma grande aliada de estilo.

Com todo o bom humor de quem sabe das armadilhas da moda mas brinca com elas, a autora apresenta caminhos para desenvolver seu próprio estilo e adaptar tendências, colocando moda a seu favor, evitando que os leitores se tornem vítimas do consumo desnecessário. Passando pelos itens básicos de um guarda-roupas, oferecendo dicas preciosas e propondo exercícios de estilo, Cris Guerra mostra como você pode combinar as peças de seu guarda-roupa de forma criativa, divertida e não se tornar uma vítima da moda!







Conhecer a história do Brasil pelos olhos de novos pesquisadores e livros didáticos é um caminho seguro e confortável, pois estas análises balizam a atividade de professores e historiadores para orientar estudantes e público em geral. Mas aqui se trata de um livro diferente, já que quem narra foi testemunha ocular desse período monárquico, o historiador Oliveira Lima.

A Faro Editorial lança este mês pelo selo Avis Rara o livro “Império Brazileiro”, do historiador Oliveira Lima, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.

“Império Brazileiro” é um retrato do país captado muito próximo ao fim do período monárquico e apresenta os momentos mais relevantes sobre a história da fundação do Brasil. A obra traz a perspectiva do período de uma testemunha e fonte confiável, que conheceu inúmeros atores da época e traduz, de forma única, a verdade despojada dos movimentos culturais das décadas seguintes, que passaram a nortear todos os livros de história do pós-guerra.

Ao longo de sua narrativa, Oliveira Lima revela inúmeros pontos-chave que tiveram enorme importância para a formação do país e fornece material para curiosos e pesquisadores sobre o legado do período monárquico – quase sempre  tratado em novelas e filmes com cinismo e peça de humor -, que foi gradualmente apagado da memória dos brasileiros e, muitos acreditam, alimentou um vazio do sentido de pátria, que hoje começa a ser revisitado por grande parte dos brasileiros.

Tolstói foi de soldado membro da aristocracia russa a um defensor da não violência depois de uma crise moral profunda. Ao repensar os ensinamentos de Jesus, entendeu qual era a maior arma do homem. Gandhi dedicou sua vida a resistência não violenta em nome da liberdade de seu país. E esses dois gênios tem muito mais do que ideias em comum: houve uma intensa troca de cartas entre os dois durante um período que resultou em um dos maiores movimentos civis de todos os tempos.

A Faro Editorial lança este mês um projeto único, pensado pelos sócios da Editora, Diego Drumond e Pedro Almeida, para contribuir ao momento atual em que houve um acirramento das discussões em todos os círculos sociais. Assim nasceu “A arte da comunicação não violenta”, que traz ao leitor a troca de cartas entre duas das mais influentes personalidades do século XX.

Gandhi é mundialmente conhecido por ter popularizado a ideia da não violência. O que poucos sabem é que a filosofia praticada por ele se forjou numa troca de correspondências com o escritor russo Liev Tolstói, que depois de se consagrar com os romances Guerra e Paz e Anna Karenina, abandonou a vida aristocrática para se dedicar aos estudos e ensinamentos da não violência.

Nesta edição exclusiva, com artigos e correspondências que abordam os mais diferentes assuntos: das relações de poder, relações profissionais e familiares, do olhar que temos sobre diversos grupos sociais, das relações com as mulheres, entre tantos outros, os leitores encontrarão a origem de toda a proposta de não violência e seus fundamentos, colhidos na origem.

“Muito se fala sobre como se estabelecer conversas sem violência, mas o tema parece ter esquecido sua origem, os que puseram as propostas em prática, alcançaram grandes êxitos e inspiraram líderes por todo o mundo, como Martin Luther King”, comenta Pedro Almeida.

Segundo os autores, precisamos substituir a norma da violência e remover a tirania começando pelas ações mais corriqueiras da vida, de modo a garantir nossa própria reforma pelo método de não resistência ao mal. Trata-se de alterar o modo de enfrentar o ódio no mundo com um olhar diferente de forma a evitar que ele nos contamine.


Aos 33 anos, o escritor britânico George Orwell embarcou, à meia-noite de 25 de dezembro de 1936, em uma estação de trem de Paris com destino a Barcelona. Os vagões estavam cheios de voluntários europeus que rumavam para lutar contra os fascistas na Guerra Civil Espanhola.

A Faro Editorial lança este mês mais um livro de George Orwell, “Homenagem a Catalunha e Relembrando a Guerra Espanhola”. Nesta edição, publicada pelo selo Avis Rara, a tradução é do jornalista Duda Teixeira, que complementou a obra com mais de sessenta notas trazendo explicações e curiosidades. O livro conta ainda com uma linha do tempo e um glossário, que auxiliam a entender a complexa Guerra Civil Espanhola, precursora da Segunda Guerra Mundial. A palavra, contudo, é sempre do brilhante George Orwell. É ele quem comanda esta aventura.

Ao longo de seis meses, Orwell participou de treinamentos militares com adolescentes espanhóis, atirou contra soldados franquistas, montou guarda no telhado de um cinema, dormiu enrolado em uma cortina de cabaré na companhia de duas granadas e fumou cigarros feitos por andaluzes humildes. Chegando a Barcelona, depois de meses no front passando fome e frio, não pôde participar do conflito em Madri. Dias depois, testemunhou a ação dos comunistas, que prenderam e fuzilaram anarquistas e trotskistas — grupos aliados, que estavam ali lutando também contra o fascismo —, enquanto as tropas de Franco avançavam no restante do país.

Essa experiência espanhola, de perceber o autoritarismo presente nos movimentos que deveriam lutar contra as ditaduras, moldou a visão de mundo de Orwell, que depois escreveria os livros “A revolução dos bichos’ e “1984”. Este livro inclui “Homenagem à Catalunha”, que o autor esboçou em Barcelona, e o ensaio “Recordando a guerra espanhola”, redigido anos mais tarde.


Arrivederci!!!

Beta

0 comentários :

Postar um comentário