domingo, novembro 07, 2021

Ciao! 


Disponível na Amazon 

 

“Por mais sólida que a vida possa parecer, ela também é muito frágil”. 

Curioso, né? Estou com este livro há um tempo e só o li agora. Exatamente quando ele ajudou algumas coisas a fazerem sentido na minha vida.

Ou seja, sigo comprovando que os livros não entram na nossa vida por acaso. 

Tudo – absolutamente tudo – é espiritual: encontrando sua paz num mundo turbulento – Rob Bell – Faro Editorial
(Everything is spiritual - 2020) 

Rob Bell compartilha histórias pessoais e da jornada dele de encontro a um entendimento sobre os ensinamentos de Deus. Ele narra desde as perdas e ausências pessoais até as dúvidas, a curiosidade e as decisões que tomou ao longo do próprio caminho. E como foi até o lado racional e o lado emocional dele convergirem para o ponto que ele entendeu o que devia fazer da vida. 

“Algumas coisas conversam conosco e nunca mais param. Saudade, lugares, desejos, questões sobre o que a nossa vida poderia ser, para onde ela poderia ir e quem poderíamos nos tornar. Elas surgem dentro de nós e ficam por ali, às vezes de maneira tranquila e paciente, outras puxando a nossa manga com insistência, exigindo uma audição adequada”. 

Algumas pessoas podem dizer que este “chamado” é uma vocação ou missão. Ele não usa essas palavras no texto, usa uma outra que não vou citar aqui, porque quem lê precisa entender a forma como a palavra chega até ele e passa a fazer sentido. Eu compreendi como encontrar aquilo que temos aptidão para fazer. No caso dele, era estudar a Bíblia de uma forma mais aprofundada e entender como colocar em prática os ensinamentos que estão nela. 

E aí, ele percebe que algumas coisas são extremamente simples. Portanto, absurdamente complexas. 

“Constatei que não existia palavra para espiritual nas Escrituras Hebraicas (também chamado de Antigo Testamento), o que era bem básico e, no entanto, bastante revolucionário. Não existia palavra para espiritual porque chamar algo de espiritual implicaria dizer que as outras coisas não o eram”.  

“Repetidas vezes, insiste-se que a realidade não está dividida; ela é uma só. Tudo na vida está impregnado pela presença divina; tudo é sagrado. Constatei que a Bíblia não é um manual de como entrar no céu. A Bíblia é uma biblioteca de poemas, cartas e histórias sobre como trazer o céu para a terra agora, sobre este mundo se tornar cada vez mais o lugar que deveria ser”. 

Ele diz que não acredita em um Deus que pune, mas em um Deus que ama e quer nos ensinar o caminho para viver, desde já, este amor de forma plena – ou seja, não só pelo próximo, mas por todas as criações dele. Entenderam onde está a complexidade? Na maioria das vezes, a gente nem se ama o suficiente, como vai sair amando tudo e todos por aí? Nada fácil, né? 

Em um mundo atual, onde somos soterrados por informações que despertam uma gama de sentimentos – e muitos que a gente nem compreende direito. As coisas ficaram muito rápidas, a gente não se dá pausas para respirar e absorver e lidar com o que acontece. Não é à toa que muitas pessoas se sentem infelizes, tristes ou até passam a ter alguma doença relacionada à saúde mental (se é a sua primeira vez aqui, nem pense que digo isso de forma arrogante – é que eu sou uma dessas pessoas que precisou cuidar da mente, das emoções, do corpo e do espírito). 

Citando uma parábola que Jesus conta no Novo Testamento, a gente está parecendo as sementes que o semeador deixa ao longo do caminho: queremos germinar, mas como fazer isso em um ambiente desfavorável?   

“Somos feitos de concretude, temos vida, temos mente e também temos alma.

E a alma é real, tão real quanto pele e ossos.

A mente pensa, a alma sabe.

Você pensa da mente para percorrer o caminho; você precisa da alma para saber se aquele é mesmo o caminho certo. A alma está sintonizada para saber se a escada está ou não encostada no prédio certo”. 

Gostei dessa comparação que ele faz: a escada encostada no prédio certo. Já parou pra pensar quantas vezes a gente se investe tempo, dinheiro, energia, esforço, inteligência e conhecimento em “prédios” que nos levam a lugar nenhum. E pode admitir, lá no fundo algo te dizia que não era esse o caminho, mas a gente insiste mesmo assim.

Acredito que este texto vai parecer um pouco desconexo, mas fiz questão de levantar alguns tópicos que o autor abordou. E posso garantir, faltam muitos outros para você descobrir. Basta ver a quantidade de post-it que usei no livro. Foi uma das leituras mais incríveis que fiz neste ano e, como disse, veio no momento certinho para que eu pudesse compreender. Espero que ele te encontre e também faça sentido na sua vida, como fez para mim. 

- Links: Goodreads livro e autora; site do autor; site da editora; Skoob; mais dele no Literaturade Mulherzinha. 

Arrivederci!!! 

Beta

0 comentários :

Postar um comentário