quarta-feira, novembro 03, 2021

Ciao!!!

Romance, sequência de série no selo MilkShakespeare, início de série infantil, relançamento de contos de fadas, contos de uma autora preta brasileira e começo das celebrações sobre a semana de 1922 no Brasil. Viram como a Faro Editorial caprichou neste mês?

Confira os detalhes sobre os lançamentos de novembro:

Anna estava literalmente vivendo uma turbulência em terra firme. Todos os planos de vida que ela tinha foram despedaçados com a morte de seu noivo Ben. Mergulhada em tristeza, e querendo se agarrar as memórias de seu amor, Anna decide fazer a viagem de barco que os dois haviam planejado meses antes da partida de Ben. Mas o que Anna não contava, era que estar sozinha no mar seria ainda mais difícil do que estar só, mas segura, em seu apartamento. Ela precisaria pedir ajuda.

A Faro Editorial lança “Partidas e Chegadas” de Trish Doller, considerado um dos romances mais tocantes sobre segundas chances e autodescoberta, que será lançado em mais 8 países além do Brasil. O livro traz uma narrativa sobre vidas que tiveram seus destinos mudados de formas trágicas, e que em meio a dor, encontraram caminho para retomar suas vidas.

Anna não via mais sentido e sua vida sem Ben, mas depois de 10 meses de luto e com o lembrete de uma viagem a Porto Rico, planejada um ano antes por ele, Anna decide que fará essa viagem sozinha. Familiares e amigos ficam bastante preocupados com os riscos da aventura. Mas ela parte num veleiro disposta a viver tudo o que havia planejado com o homem de sua vida.

Sem experiência em velejar sozinha, Anna aceita que precisará de ajuda para cumprir seu objetivo, e talvez assim vencer a dor que a afoga dia após dia. E é nesse momento que Keane entra em sua vida. Também enfrentando seus próprios demônios, uma história que pesa sobre seus ombros, ele tem motivos para aceitar a proposta. Vê, com convite de Anna, uma maneira tirar o foco daqueles problemas. E embarca numa viagem que pode mudar a vida dos dois.

O que duas vidas marcadas por tragédias opostas podem ensinar ao outro? Enquanto uma relação de amizade e confiança se inicia, nuvens vão sendo desfeitas e a turbulência das vidas podem desaparecer. As primeiras escolhas podem ser feitas pelas pessoas, mas as ondas do mar sempre trazem suas surpresas.

Não entenda mal o que June está sentido, ela adora seus amigos, de verdade, mas sabe, sendo a única garota numa casa de árvore com monstros e garotos, ela merece umas “férias”. O que ela não imaginava era que ser arrastada por um ogro gigante para fora da cidade ia ser o início de uma grande aventura para proteger um bebê monstro do mal. Pois é, o apocalipse tem suas surpresas.

A Faro Editorial lança este mês pelo selo MilkShakespeare o livro “A aventura da June”, livro solo de June Osborne e que prepara os leitores para o retorno dos quatro amigos no sexto volume da série, que será lançado em 2022.

Mas primeiro vamos explicar como June se separou de Jack, Quint e Dirk. Não, ela não fugiu. Era para ser mais um dos desafios de herói pós-apocalíptico de Jack, mas dessa vez June quis ser a heroína – já que sempre o Jack acaba se metendo em confusão. Só que numa espécie de corrida maluca dos monstros caçando a June, eles são surpreendidos por outras criaturas do mal, montadas em Ogros gigantes, correm atrás do quarteto.

June acaba sendo presa por um desses monstros e é arrastada para longe de seus amigos, ficando sozinha em um outro lugar que não é a cidade de Wakefield, e ainda sem rádio, e sem saber como voltar. E ela só lembra das últimas palavras de Jack “Vamos te encontrar, prometo!”. Mas é aí que a aventura de June vai começar, quando ela descobrir que não está tão sozinha assim, e que ainda terá que salvar um bebê monstro do mal das mãos de Thrull.

Realmente não há um momento de paz neste mundo cheio de zumbis e monstros.

Angelina Purpurina é uma menina de 8 anos muito esperta, mas que tem que lidar com dois irmãos mais velhos que não dão sossego a garota. Mas ao invés de chorar, – tudo bem, ela até chora, porque eles são malvados – ela também prega umas peças nesses dois. Mas Angelina também se diverte com sua amiga Catarina, seu leão de pelúcia Mastigadinho, e seu crush, Pedro Quindim.

A Faro Editorial lança este mês o primeiro volume série infanto-juvenil “Angelina Purpurina”, publicada pela Gallimard, de autoria da francesa Fanny Joly, com ilustrações de Ronan Badel.

Angelina, uma menina de 8 anos que adora cantar, ama doces e seu leão de pelúcia, mas é infernizada o tempo todo pelos irmãos mais velhos, Vitor de 11 anos e Max de 9, que implicam com tudo o que ela faz. Angelina não tem nada de boba e sabe muito bem como colocar esses meninos no lugar deles.

Neste primeiro livro, o leitor é apresentado a todos os personagens que fazem parte do universo de Angelina, além de acompanhar as primeiras travessuras de seus irmãos, e suas vinganças divertidas!

Uma série engraçada, educativa, que nos lembra e muito uma certa personagem dentucinha e invocada tão amada pelos pequenos leitores brasileiros. 

 

O imaginário de gerações e gerações foi povoado por princesas, bruxas, aventuras em terras distantes, personagens que nos ensinaram valores e marcaram a infância. Quem nunca ouviu a história de “João e Maria”, do “Gato de Botas”, da “Branca de Neve”, ou da “Chapeuzinho Vermelho”? Mas nesta coleção especial, esses contos têm o toque de outro grande criador de histórias infantis: Monteiro Lobato.

A Faro Editorial lança este mês três volumes de livros com contos de fadas clássicos dos Irmãos Grimm e de Charles Perrault. De João e Maria a Cinderela, as histórias infantis mais conhecidas de todo o mundo chegam nesta edição revista e atualizada de com tradução de Monteiro Lobato.

Os volumes “Os mais fantásticos contos” e “Os mais belos contos” foram organizados pelos irmãos Jacob e Wilhelm Grimm a partir das narrativas populares, e publicados pela primeira vez em 1812, os contos de Grimm contribuíram imensamente para a língua e cultura alemãs, ajudando até mesmo no processo de construção da identidade nacional após a Unificação do país, em 1871.

Já “Contos de fadas” do poeta e escritor francês Charles Perrault, foi publicado pela primeira vez em 1697 como “histórias dos tempos passados” — hoje famosos como Contos de Perrault —, estes contos tornaram-se célebres por impulsionar um gênero literário denominado contos de fadas.

Os três livros foram traduzidos na década de 1930 pelo maior nome da literatura infantil brasileira, Monteiro Lobato, cuidadosamente revistos e atualizados pela equipe da Faro Editorial.

Em meio a um turbilhão de emoções, de faltas, de dores e amores, às vezes o que precisamos é de alguém que nos segure pela mão e diga: calma, vai dar tudo certo. Respira, a vida tem seus espinhos. E foi assim que o carnavalesco Milton Cunha começou a dividir com seus fãs pílulas de conforto e sabedoria em vídeos no seu canal, e que agora, vão rechear as páginas de um livro cheio de sentimento, luz e cor. Apenas via, e aproveite!  

A Faro Editorial lança este mês o primeiro livro de crônicas do carnavalesco Milton Cunha, “Viva e aproveite - O primeiro ano do resto de nossas vidas”. Em edição capa dura e colorida, Milton vai presentear o leitor com textos que falam de amor, amizade, família, autoestima, perda, paixão, e muito mais.  

Com mais de quatro milhões de seguidores em suas redes sociais, Milton Cunha se reinventou. Um dos maiores artistas do carnaval, com passagem pelas mais tradicionais escolas do Rio de Janeiro e São Paulo, pós-doutor em História da Arte, mestre doutor em Letras e Semiologia, professor, artista, uma alma do mundo, entende como poucos as nuances da vida. E é essa alma sensível que Milton passou a dividir com o público em vídeo-crônicas, que já alcançaram a marca de mais de 100 milhões de visualizações.   

Sobre esse projeto, Milton revela que seus vídeos foram uma inspiração para nos preparar para a mudança que a vida iria sofrer: “Eu batia nessa tecla de vamos nos preparar para o primeiro ano do resto das nossas vidas. Quando voltarmos as ruas, vamos continuar a valorizar afeto, abraço... Então reuni tudo isso em um livro para reflexão. Cada pequeno texto traz perguntas que farão as pessoas pensarem o bem-viver. É um livro para você buscar a sua luz, sua força, o tesouro dentro de cada leitor”.  

Com aquarelas do artista plástico Marcelo de César, textos de Padre Fábio de Melo, Fátima Bernardes, Miguel Falabella, e muitos outros, e crônicas que falam dos nossos mais profundos pensares sobre a vida, e sobre o que temos enfrentado nos últimos tempos, Milton nos presenteia com um livro que será um grande amigo, um conforto, uma voz de apoio, e até mesmo aquele choque de realidade que precisamos tanto. 

“Ser forte não é ser imune a dor; é seguir adiante, apesar de senti-la”


Uma das maiores escritoras negras do Brasil, a primeira e ter reconhecimento nacional ainda em vida de sua obra; cronista, jornalista, romancista, contista e tradutora Ruth Guimarães terá mais um livro publicado pela Faro Editorial: “Contos do céu e da Terra”.

Os contos presentes nos livros de Ruth foram extraídos unicamente da tradição oral dos povos do Vale do Paraíba, no encontro entre três estados, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. A autora seguiu, na produção desses textos, técnicas de coleta folclórica que aprendeu com o professor, Mário de Andrade, entre os anos de 1942 e 1944.

Formada em Letras Clássica pela USP, Ruth iniciou sua carreira como jornalista, escrevendo para grandes veículos como a Revista do Globo, O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo, mas foi na literatura que ela encontrou sua paixão. Autora de mais de 50 publicações entre ensaios folclóricos, romance, contos, traduções, crônicas e reportagens, também atuou como professora que formou várias gerações.

Era membro da Academia Paulista de Letras e cultivou grandes amizades ao longo de sua história, entre eles Érico Veríssimo, um fã declarado de suas crônicas e o primeiro a aclamar a obra “Água Funda”, publicado em 1946. Guimarães Rosa e o escritor e folclorista Luís da Câmara Cascudo também tiveram amizade próxima com a escritora, ao longo de toda a vida.

Ruth Guimarães teve trajetória marcada não só pela literatura, com as 51 obras que publicou, entre ensaios folclóricos, romance, contos, traduções, crônicas e reportagens, mas também como professora que formou gerações. Entre seus alunos se destacam escritores como Severino Antonio e Regis Morais, e médicos como Aurelino Ferreira Júnior.

Uma autora brasileira que merece ser celebrada, e que mantém seu legado vido entre nós. Sua trajetória de pesquisadora da cultura popular e do folclore, associada a uma intensa produção erudita no campo da tradução e da crítica literária, a colocam no cenário dos grandes intelectuais brasileiros.

A coleção, que já teve dois livros lançados em 2020, “Contos Negros” e ‘Contos Índios” ainda terá mais um título no próximo ano.

Sobre “Contos do céu e da Terra”

Ruth Guimarães, ao compendiar os contos que integram a presente coletânea, costurou habilmente dois de seus muitos condões de polígrafa: a escritora, que sempre emprestou os ouvidos à escuta amorosa, de que nutria suas páginas no campo da ficção; e a etnógrafa, cuja erudição, ainda na quadra primaveril da vida, assombrou Mário de Andrade. E segue a nos assombrar, quando deparamos, por exemplo, seus périplos por mundos aparentemente distintos, mas que se revelam em sua unidade original. Isso ocorre especialmente no estudo sobre a presença do sobrenatural no Vale do Paraíba, em Os filhos do medo, obra impossível de ser delimitada, abarcando várias áreas do saber e avançando corajosamente para os domínios literários. Afinal, para a mestra vale-paraibana, a literatura da voz é tão importante quanto a outra, a formal, por vezes rígida, que dela deriva, embora, por vezes, negue qualquer filiação.

A leitura destes contos, alguns de teor lendário, convida-nos a agradecer a quem, durante sua jornada na terra, fez da faina intelectual a razão de sua existência, nutrindo-se e nutrindo-nos de histórias que, universais em essência, particulares em ambiência, linguagem, pormenores, parecem ter saltado de um sonho abraçado por muitas coletividades para as salas e os alpendres do Brasil interior. O Brasil que Ruth Guimarães amou e que, aos poucos, a redescobre.

Marco Haurélio – Escritor e pesquisador das tradições populares


Preparando o ano de comemoração ao centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, a Faro Editorial lança uma coleção fundamental para entender não só o evento ocorrido na cidade de São Paulo, mas as escolas vanguardistas do início do século XX na Europa, nos Estados Unidos e na América Latina.

O primeiro volume traz “As revoltas modernistas”, de Otto Maria Carpeaux. O texto faz parte da principal obra do crítico: História da literatura ocidental. Carpeaux expõe um conhecimento enciclopédico a respeito das escolas de vanguarda, contextualizando a vida e obra dos escritores nos movimentos modernistas.

O segundo volume reúne dois livros de Mário de Andrade: “Pauliceia Desvairada” e “Amar, Verbo Intransitivo”. Aqui, o leitor tem a oportunidade de conhecer um livro de poesia e um romance do principal escritor modernista brasileiro. Nas duas obras, estão presentes os elementos do modernismo que iriam influenciar as gerações futuras de autores nacionais.

A edição também inclui textos sobre a semana de arte moderna, incluindo artigos críticos publicados na época.

Arrivederci!

Beta

0 comentários :

Postar um comentário